Transformar a educação transforma vidas


Com autonomia e responsabilidade, o jovem precisa se perceber protagonista em seu processo de aprendizagem.

Peter Tabichi, professor Queniano venceu hoje (24/03/19) o Nobel da Educação - o melhor professor do mundo 2019. Um percurso de vida docente admirável, repleto de empatia e força para superar obstáculos.

A professora brasileira Débora Garofalo, ficou entre os 10 melhores do mundo e gostaria de destacar a fala de uma de suas alunas: “a aula dela tem alguma coisa que faz a gente confiar em nós mesmos.” 
Em outra matéria, um garotinho disse que quando ela entra em sala, ela não dá uma matéria só, ela mistura todas as disciplinas. 


Tanto Peter Tabichi, quanto Débora Garofalo atuavam com o desenvolvimento de projetos que envolvia múltiplos saberes e nas conquistas do fazer, errar, refazer, criar, inventar, repensar, acertar, a autoestima dos alunos era potencializada.

Essa semana fui questionada sobre o que me faz feliz.
Assim como no Mito da Caverna de Platão, assumo o empático papel do filósofo. Meu desejo é que meus alunos se percebam acorrentados pelo sistema, contemplando sobras no fundo de uma caverna. Somente os que se percebem contempladores de sombras, serão capazes de mover seu olhar viciado com o fundo da caverna para o diferente, onde há uma aterrorizante luz na entrada da caverna.
movimento de liberdade que me faz feliz, requer empatia e atua diretamente na autoestima do aluno, pois provoca a autopercepção da potência dele e com autonomia e responsabilidade, passa a ser protagonista de seu aprendizado, se mobilizando em pró de seus sonhos. 

Qual a conexão entre essas práticas que transformam vidas através da educação?

O EMPODERAMENTO
Somente com um olhar empático é possível transpor as adversidades de um ensino tradicional, fragmentado, apostilado, formatado, seriado e despertar o potencial de cada aluno.

A TECNOLOGIA
A tecnologia não precisa ser uma grande vilã apoiadora da "decoreba" de conteúdos desconexos. Ela pode ser usada como uma ferramenta maravilhosa, permeando projetos e incentivando o aprender fazendo.

A DESFRAGMENTAÇÃO DOS SABERES
Envolve o fim das aulas separadas por disciplinas, favorecendo o desenvolvimento de pensamentos complexos.
O único lugar onde os saberes são fragmentados é dentro das escolas e universidades. No mundo real todos os processos envolvem múltiplos saberes e aplicabilidade prática de conteúdos diversos.

A APRENDIZAGEM POR PROJETOS
Solução de problemas complexos através da interdisciplinaridade dos saberes. Trabalho em equipe, em projetos reais de interesse dos alunos, favorece a aprendizagem efetiva de conteúdos com aplicabilidade na vida dos alunos.

FOCO NAS HABILIDADES
A competição não é mais a “menina dos olhos”. É possível destacar a criatividade, o pensamento crítico, resiliência, empatia e colaboração.

A DECADÊNCIA DO ENSINO TRADICIONAL
Educação “linha de montagem”, conteudista, com foco na memorização de volume de respostas mecânicas morreu.
Fuja de toda fórmula pronta e padronização como as apostilas, os modelos, os moldes e projetos de ensino.

Não é muito fácil ser um agente transformador da educação no Brasil.
- Para meus amigos, eu vivo no mundo de Nárnia.
- É explicito o medo do diferente entre meus colegas de trabalho.
- Meus alunos torcem o nariz, pois faço de tudo para tira-los da Zona de Conforto (fundo da caverna).
- Meus ex-alunos que saíram da caverna, alimentam minha ânsia em tirar mais e mais alunos do sistema que cultiva a inércia geradora de ignorância.

Texto recomendado: Os gigantes professores estão mortos por dentro de pequenos corpos vivos

Foto de Peter Tabichihttps://www.globalteacherprize.org/person?id=7486

Deixe seu comentário ou dúvidas. 

Comentários