Revolução silenciosa


"Quando se navega sem destino, nenhum vento é favorável." [Lucius Annaeus Sêneca]
Jovens sem potência, há uma revolução silenciosa acontecendo ao seu redor. Desperta e busca a excelência. 

CAUSO 1
Uma jovem aluna me procurou para conversar. Com um olhar aflito, mas uma fala ponderada, ela começou a explanar os problemas relacionais entre os componentes de seu grupo de trabalho acadêmico.
Em respeito a sua angustia, fiquei atenta e permiti que ela colocasse para fora tudo que estava acumulado em sua mente.
Em um determinado momento da conversa, como gosto muito de ilustrar minhas falas com exemplos reais, fazendo uso de metáforas ou analogias, perguntei para a aluna: “O que você faz com excelência? Pode ser qualquer coisa, só me dê um exemplo.”
A aluna respondeu: “Ahh, prô. Muita coisa.”
Eu, sem ainda perceber a ‘saia justa’ que tinha colocado na aluna, voltei a insistir: “Cite uma coisa.”
Foi um minúsculo e assombroso hiato na conversa. Rapidamente percebi que a aluna não conseguiria destacar alguma coisa que ela faz com excelência e contornei a conversa com um exemplo qualquer.
Fiz a minha metáfora, conclui meu raciocínio para ajudar aquela jovem em seu problema pontual com seu grupo, mas eu guardei aquele hiato, como um buraco negro enorme e profundo, pois sei que essa jovem não está isolada nesta geração que não sabe fazer nada com excelência.

CAUSO 2
Em uma conversa de final de semestre e feedback sobre os projetos desenvolvidos, uma aluna que passara por uma dor recente, ainda sensibilizada, quis conversar.
“Prof, quando eu entrei na faculdade, eu achei que seria diferente. Achei que só teríamos professores com propostas inovadoras como a sua. Que seriamos impulsionados a pensar, produzir e inovar o tempo todo.”
Logo ela mudou o tom da conversa e desabafou: “Prof, foi injusto o que a minha turma fez com a senhora no semestre passado. Todo mundo reclama do sistema educacional, mas quando chega alguém com uma proposta inovadora, o povo rejeita. A turma ficou se gabando de ter ensinado à senhora a dar aula.”
Soltei uma gargalhada em minha mente e tentei conter em minha face, mas sorri.
A aluna percebeu o meu ar de deboche e continuou falando, agora em pé e gesticulando, colocou as mãos na cabeça e disse: “Prof, você só passou a nos tratar como incapazes. Foi isso, não foi? ” Ela deu uma enorme gargalhada e disse: "Eles se acharam muito espertos."
Eu sorri e disse: “... e vocês ficaram calmos. Eu só dei o que vocês pediram.”

Uma geração cuja maioria está sem conteúdo, mas se acha a melhor do mundo - sem propósito, sem garra, sem persistência, sem empenho, sem respeito, sem senso de coletivo, egocêntrica e arrogante. Acredita que poderá burlar qualquer sistema e que enganará a todos. Não se esforça para buscar a excelência em nada. Pobre geração sem potência.

Jovens, qual é seu projeto de vida? Qual é seu desafio de vida? Qual contribuição você pretende dar à sua sociedade?
É hora de pensar o futuro. 
Vídeo que me inspirou a escrever esse artigo:

Fonte da imagem: https://joaoalexandre.com/blogue/pixel-facebook-perceber/

Deixe seu comentário ou dúvidas. 

Comentários

  1. Viu minha linda, quando eu falo que seu texto é romântico ? Que talento...escreve uma coisa terrível dessa de modo suave e firme como só você sabe fazer...quanta admiração ! Eu não consigo, já chego chutando de baixo para cima
    cremilda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cremilda querida, você conhece um mundo (na educação), que eu desconheço e me espanta.
      Muito obrigada por seu comentário.

      Excluir

Postar um comentário