Afinal de onde vem estes Jogos? - por Mônica Teixeira

Nesse mundo globalizado, super acelerado repleto de invenções e re-invenções, muitas vezes as pessoas encontram-se tão envolvidas neste contexto que vão vivendo de forma automática, reproduzindo alguns padrões sem saber por quê; ou melhor, sem refletir: Para que?
Os Jogos Cooperativos surgiram da reflexão do quanto à cultura ocidental principalmente, valoriza excessivamente o individualismo e a competição.
Na verdade, os Jogos Cooperativos, não são novidade, segundo Terry Orlick "começaram a milhares de anos atrás, quando membros das comunidades tribais se uniram para celebrar a vida". Segundo Fábio Brotto, "alguns povos ancestrais, como os Inut (Alasca), Aborígenes(Austrália), Tasaday(África), Arapesh (Nova Guiné), os índios norte americanos, brasileiros, entre outros, ainda praticam a vida cooperativamente através da dança, do jogo e outros rituais. Portanto, os Jogos Cooperativos, sempre existiram consciente ou inconscientemente." [...]
Um dos percussores dos Jogos Cooperativos é Terry Orlick, da Universidade de Ottawa no Canadá, que em 78 publicou o livro "Winning Throught Cooperation" (Editado em português como "Vencendo a Competição” obra reconhecida mundialmente, como uma das principais fontes de inspiração e compreensão dos Jogos Cooperativos.
Segundo Terry Orlick, "a diferença principal entre Jogos Cooperativos e competitivos é que nos Jogos Cooperativos todo mundo coopera e todos ganham, pois tais jogos eliminam o medo e o sentimento de fracasso. Eles também reforçam a confiança em si mesmo, como uma pessoa digna e de valor."
A partir de 1980, iniciaram-se os primeiros passos para integrar os Jogos Cooperativos no Brasil, onde podemos destacar Fábio Otuzi Brotto, como seu principal representante.
Inicialmente, esses jogos tiveram maior repercussão dentro de programas de Graduação e Pós graduação em Educação Física, atualmente, experimenta-se essa proposta em diversas áreas; como no esporte em geral, em Pedagogia, Administração de Empresas, Psicologia, Filosofia, Movimentos Comunitários, ONGs, Saúde, Desenvolvimento do Potencial Humano e tantas outras, sendo desenvolvidos com pessoas e grupos muito diversificados e de todas as idades. [...]
Apresentamos no quadro abaixo uma comparação, entre o Jogo competitivo e o Cooperativo, com a intenção de ampliar a percepção e proporcionar uma reflexão sobre essas duas formas não só de jogar, mas de viver e com-viver; sem opor uma à outra vamos observando a diferença entre essas duas filosofias.

Baseado em Orlick 1978 e Brotto 1997
O ser humano age de acordo com suas crenças e valores. Ele vai responder ao meio que o cerca baseado em seus programas e condicionamentos internos. Segundo Brotto, teriamos 3 formas de ver (perceber) as situações da vida e portanto 3 formas de viver (agir) em nossa vida.
Confira na tabela abaixo, três Jeitos de ver-e-viver o jogo da vida.

Brotto, 2001 - Jogos Cooperativos - O Jogo e o Esporte como um Exercício de Convivência - pg.61


Extraído da seção "Entendendo os Jogos" da edição 6 do ano I da Revista Jogos Cooperativos.

JOGO COMPETITIVO
JOGO COOPERATIVO
Divertido para alguns
Divertido para todos
Alguns sentem-se perdedores
Todos sentem-se ganhadores
Alguns são excluídos por falta de habilidade
Todos envolvem-se de acordo com as habilidades
Estimula a desconfiança e o egoísmo
Estimula o compartilhar e confiar
Cria barreiras entre as pessoas
Cria pontes entre as pessoas
Os perdedores saem e observam
Os jogadores ficam juntos e desenvolvem suas capacidades
Estimula o individualismo e o desejo que o outro sofra
Ensina a ter senso de unidade e solidariedade
Reforçam sentimentos de depreciação, rejeição, incapacidade, inferioridade, etc.
Desenvolvem e reforçam os conceitos de nível AUTO (auto-estima, auto-aceitação, etc.)
Fortalece o desejo de desistir frente às dificuldades
Fortalece a perseverar frente às dificuldades
Poucos são bem sucedidos
Todos encontram um caminho para crescer e se desenvolver

Comentários